Sua empresa está pagando muito caro porque as rondas não estão sendo cumpridas

N06.-Errando-o-alvo* Por Diogo Vinícius

Como saber se as rondas estão sendo realizadas corretamente, conforme as exigências dos clientes? Controlar seus funcionários fora da base é, sem dúvidas, um dos maiores problemas das empresas de segurança patrimonial.

A falha em uma ronda de um ponto de risco, por exemplo, deixa o ambiente vulnerável à atuação de bandidos. Pensando nisso, muitos contratos estabelecem o cumprimento efetivo de até 90% da ronda, que quando não cumprida gera penalidades que podem chegar a 20% da mensalidade do contrato, e dependendo da gravidade ou da quantidade de ocorrências, podem evoluir para a rescisão do contrato.

Por isso, está cada vez mais clara a necessidade de um controle mais eficaz das rondas, por parte das empresas de segurança.

Hoje há várias soluções no mercado, desde a folha de papel com a hora de chegada e saída do funcionário daquele local, o clássico bastão de ronda, até o uso de soluções mais modernas como tokens e aplicações de leitores de código de barras ou QR Code nas rotas dos funcionários.

Mas já pensou se essas soluções realizassem o estudo do comportamento do funcionário? Quanto tempo ele está passando nesse ponto? Se ele só está passando 10 segundos por passagem, é seguro? Quanto tempo, das 12h que a empresa paga, ele acaba realizando a ronda? Não sabe? Ele pode estar passando várias horas muito bem acomodado em um local confortável, ao invés de cumprir a ronda e o seu cliente não está nada satisfeito com isso.

Entender o comportamento da ronda é diferente e bem mais eficaz do que apenas monitorar o seu  cumprimento. É preciso demonstrar tudo isso para o cliente no final do mês. Ele vai adorar saber que o valor investido para a segurança do empreendimento dele está sendo bem empregado.

O mesmo raciocínio se aplica ao controle de supervisores. Como você sabe que eles estão visitando os clientes? E como você alinha com eles a prioridade dos clientes escolhidos? É mesmo só por valor de contrato ou proximidade? Essa metodologia pode estar levando a sua empresa a um desgaste com os clientes.

Ao estudarmos segurança, sabemos que existem três pilares que norteiam a prestação adequada de um bom serviço: pessoas, processo e tecnologia. É preciso ter pessoas capacitadas, processos de gestão bem definidos, e tecnologias eficientes e inteligentes o bastante para dar o suporte às habilidades humanas.

A boa notícia é que já tem gente atenta a essa enorme demanda do mercado, desenvolvendo soluções para o monitoramento em tempo real das equipe, aliada a processos de gestão bem elaborados, utilizando as tecnologias mais avançadas do momento.

A FindMe (www.findme.id), por exemplo, desenvolveu uma solução bastante inovadora. A empresa criou um sistema de monitoramento online de rondas, onde a empresa pode acompanhar o cumprimento das rotas dos seus funcionários em tempo real.

Além disso, o sistema FindMe, através do seu aplicativo, permite ao funcionário fazer reportes de áudio, foto e texto sobre cada ocorrência e a extração de relatórios personalizados. Tudo isso gera maior poder de decisão e rapidez na prestação de contas, viabilizando a gestão estratégica das operações.

A solução atua em uma estrutura totalmente passiva, sem a necessidade de qualquer intervenção humana, minimizando os erros e burlamentos.

Sou um entusiasta da inovação e a aplicação de novas tecnologias revolucionou vários mercados, pode ter certeza que vai revolucionar o mercado de segurança também.

Um abraço e até a próxima.

Diogo Vinícius – Advogado e CEO da FindMe (www.findme.id)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *