Microsoft aponta o dedo às agências de segurança e espionagem

imageO ataque informático de sexta-feira deixou muitas empresas e governos num elevado grau de preocupação e a criadora do sistema operativo que está no centro ataque.

A Microsoft está furiosa e aponta o dedo às agências de espionagem e segurança nacional.

O Ransomware WannaCry ou WannaCrypt terá atacado perto de 200 mil computadores desde sexta-feira e, apesar da ameaça parecer estar controlada, ainda não é certo o que poderá acontecer esta segunda-feira.

Um perito em segurança informática descobriu uma forma fácil de acabar com este ataque em particular, mas a forma é tão simples que qualquer um pode alterar o código do Ransomware para voltar a distribuí-lo e voltar a criar estragos.

O WannaCry aproveita-se de uma falha no Windows que a Agência de Segurança Nacional norte-americana descobriu mas nada disse à Microsoft. Guardou a informação para si, até que essas falhas foram tornadas públicas através de um leak. É isto que está a deixar a empresa fundada por Bill Gates em polvorosa.

Brad Smith, um dos administradores da Microsoft, queixa-se que os serviços secretos estão a armazenar informações acerca de vulnerabilidades em vez de os revelarem para que as falhas sejam resolvidas. Sublinha que há cada vez mais leaks sobre estas falhas e que isto resulta em “danos por toda a parte”. Brad Smith dá uma imagem: quando a CIA ou a NSA perdem estes documentos é a mesma coisa que roubarem ao exército uma série de mísseis Tomahawk.

A Microsoft diz que está na altura das chefias governamentais acordarem e de implementarem legislação que obrigue as agências de segurança a partilhar com as criadoras de software os buracos de segurança que vão encontrando. Será talvez difícil que isso aconteça, mas ao menos a empresa lava daí as suas mãos.

Certo é que a era dos ciber desastres pode ter chegado. É assim que o Washington Post dá título a um artigo sobre o ataque que começou na sexta-feira.

A BBC falou com funcionários do Serviço Nacional de Saúde britânico que falam em “carnificina”. Houve vários hospitais britânicos que tiveram de suspender atividades e “há pacientes que irão sofrer a até morrer” devido ao ataque. Para já, não há mortes relatadas, mas como escreve o Financial Times, “a primeira morte atribuída diretamente a um ciberataque de repente parece uma possibilidade”.

Fonte: http://www.tsf.pt/sociedade/ciencia-e-tecnologia/interior/microsoft-aponta-o-dedo-as-agencias-de-seguranca-e-espionagem-8476766.html

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *